Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – IPCA de dezembro foi de 0,62%, 0,21 ponto percentual (p.p.) acima da taxa de novembro (0,41%). Em dezembro de 2021, a variação havia sido de 0,73%. Com isso, o IPCA acumulado em 2022 foi de 5,79%, abaixo dos 10,06% acumulados em 2021.

PeríodoTaxa
Dezembro 20220,62%
Novembro 20220,41%
Dezembro 20210,73%
Acumulado no ano / 12 meses5,79%

Todos os grupos de produtos e serviços pesquisados tiveram alta em dezembro. A maior variação (1,60%) e o maior impacto (0,21 p.p.) vieram de Saúde e cuidados pessoais, que acelerou em relação ao resultado de novembro (0,02%). A segunda maior contribuição, 0,14 p.p., veio de Alimentação e bebidas, que ficou com alta de 0,66%. Juntos, os dois grupos representaram cerca de 56% do impacto total do IPCA de dezembro.

GrupoVariação (%)Impacto (p.p.)
NovembroDezembroNovembroDezembro
Índice Geral0,410,620,410,62
Alimentação e bebidas0,530,660,120,14
Habitação0,510,200,080,03
Artigos de residência-0,680,64-0,030,03
Vestuário1,101,520,050,07
Transportes0,830,210,170,04
Saúde e cuidados pessoais0,021,600,010,21
Despesas pessoais0,210,620,020,06
Educação0,020,190,000,01
Comunicação-0,140,50-0,010,03

A segunda maior variação, por sua vez, veio de Vestuário (1,52%), cujo resultado ficou acima de 1% pelo quinto mês consecutivo. Transportes (0,21%) e Habitação (0,20%) desaceleraram ante o mês anterior, quando registraram 0,83% e 0,51%, respectivamente. Os demais grupos ficaram entre 0,19% de Educação e 0,64% de Artigos de residência.

A alta de Saúde e cuidados pessoais (1,60%) está relacionada ao aumento nos preços dos itens de higiene pessoal (3,65%), em particular os perfumes (9,02%). Em novembro, os preços dos perfumes caíram 4,87%; com a alta de dezembro, o subitem contribuiu com o maior impacto individual no índice do mês, 0,09 p.p. Além disso, também houve alta nos preços dos artigos de maquiagem (5,42%) e dos produtos para pele (3,85%). Os planos de saúde (1,20%) seguiram com a mesma variação do mês anterior, refletindo a incorporação da fração mensal dos reajustes dos planos novos e antigos para o ciclo de 2022 a 2023.

O resultado do grupo Alimentação e bebidas (0,66%) foi puxado pela alimentação no domicílio (0,71%). Destacam-se as altas do tomate (14,17%), do feijão-carioca (7,37%), da cebola (4,56%) e do arroz (3,77%). No lado das quedas, os preços do leite longa vida (-3,83%) caíram pelo quinto mês seguido, contribuindo com -0,03 p.p. no IPCA de dezembro.

Na alimentação fora do domicílio (0,51%), o lanche (1,10%) acelerou frente a novembro (0,42%), enquanto o resultado da refeição (0,19%) ficou abaixo do mês anterior (0,36%).

No grupo Vestuário (1,52%), as roupas femininas tiveram a maior variação (2,10%) e o maior impacto (0,03 p.p.) entre os itens pesquisados. Além disso, os preços das roupas masculinas (1,55%), das roupas infantis (1,46%) e dos calçados e acessórios (1,09%) também subiram mais de 1% em dezembro.

O grupo Transportes (0,21%) teve variação menor que a do mês anterior (0,83%), influenciado pela queda nos preços da gasolina (-1,04%). Também houve recuo nos preços do óleo diesel (-2,07%) e do gás veicular (-0,45%). O etanol (0,48%) foi o único combustível com alta em dezembro. Outro componente do grupo a apresentar alta foram as passagens aéreas (0,89%), cujos preços haviam recuado 9,80% em novembro. Cabe ressaltar ainda a alta do subitem pedágio (3,00%), consequência dos reajustes entre 10,20% e 12,00% em diversas praças de pedágio em São Paulo (3,95%), a partir de 16 de dezembro.

A desaceleração do grupo Habitação (de 0,51% em novembro para 0,20% em dezembro) decorre de altas menos intensas do aluguel residencial (0,40%) e da energia elétrica residencial (0,20%). As variações da energia elétrica nas regiões foram desde -3,54% no Rio de Janeiro, onde houve redução de 5,99% nas tarifas de uma das concessionárias pesquisadas, válida desde 15 de dezembro, até 8,77% em Rio Branco, por conta do reajuste de 14,48% nas tarifas residenciais, a partir de 13 de dezembro. Também foram registrados reajustes de 21,54% em Brasília (6,66%), vigente desde 3 de novembro, e de 3,62% em uma das concessionárias de Porto Alegre (2,30%), aplicado desde 22 de novembro.

Ainda em Habitação, a variação positiva da taxa de água e esgoto (0,50%) é consequência dos reajustes de 10,15% em Belém (9,51%), válido desde 28 de novembro, e de 11,82% no Rio de Janeiro (3,65%), em vigor desde 8 de novembro. Já o aumento do gás encanado (3,67%) reflete o reajuste de 10,89% nas tarifas residenciais em São Paulo (7,01%), a partir de 10 de dezembro. No Rio de Janeiro (-0,31%), a queda no gás encanado é consequência da redução de 2,47% nas tarifas, aplicada desde 1º de novembro.

Todas as áreas tiveram variações positivas em dezembro, sendo a maior em Rio Branco (AC) (1,32%), por conta da alta da energia elétrica (8,77%). Já o menor resultado ocorreu no Rio de Janeiro (0,33%), onde, além da queda na energia elétrica (-3,54%), houve recuo nos preços de produtos alimentícios como o leite longa vida (-4,70%) e as frutas (-3,49%).

RegiãoPeso
Regional (%)
Variação (%)Variação Acumulada (%)
NovembroDezembroAno
Rio Branco0,510,121,325,70
Belém3,940,101,055,56
São Luís1,620,361,006,10
Recife3,920,390,885,80
Curitiba8,090,230,755,26
Belo Horizonte9,690,540,714,64
Aracaju1,030,120,666,03
Vitória1,860,090,655,03
São Paulo32,280,400,626,61
Fortaleza3,230,280,615,76
Porto Alegre8,610,420,563,61
Goiânia4,170,950,554,77
Brasília4,061,030,506,26
Salvador5,990,260,396,29
Campo Grande1,570,270,385,16
Rio de Janeiro9,430,340,336,65
Brasil100,000,410,625,79

Para o cálculo do índice do mês, foram comparados os preços coletados entre 30 de novembro e 27 de dezembro de 2022 (referência) com os preços vigentes de 28 de outubro a 29 de novembro de 2022 (base).

IPCA fecha 2022 com alta de 5,79%

IPCA encerrou o ano com variação de 5,79%, abaixo dos 10,06% registrados em 2021. Na tabela abaixo, pode-se observar as variações mensais do índice em 2022.

MêsVariação (%)
MêsTrimestreAno
Janeiro0,540,54
Fevereiro1,011,56
Março1,623,203,20
Abril1,064,29
Maio0,474,78
Junho0,672,225,49
Julho-0,684,77
Agosto-0,364,39
Setembro-0,29-1,324,09
Outubro0,594,70
Novembro0,415,13
Dezembro0,621,635,79

O resultado de 2022 foi influenciado principalmente pelo grupo Alimentação e bebidas (11,64%), que teve o maior impacto (2,41 p.p.) no acumulado do ano. Na sequência, veio Saúde e cuidados pessoais, com 11,43% de variação e 1,42 p.p. de impacto. Já a maior variação veio do grupo Vestuário (18,02%), que teve altas acima de 1% em 10 dos 12 meses do ano. O grupo Habitação (0,07%) ficou próximo da estabilidade e os Transportes (-1,29%) tiveram a maior queda e o impacto negativo mais intenso (-0,28 p.p.) entre os nove grupos pesquisados. Na tabela a seguir, o resultado de todos os grupos de produtos e serviços.

GrupoVariação (%)Impacto (p.p.)
2021202220212022
Índice Geral10,065,7910,065,79
Alimentação e bebidas7,9411,641,682,41
Habitação13,050,072,050,01
Artigos de residência12,077,890,460,31
Vestuário10,3118,020,450,78
Transportes21,03-1,294,19-0,28
Saúde e cuidados pessoais3,7011,430,491,42
Despesas pessoais4,737,770,490,77
Educação2,817,480,170,42
Comunicação1,38-1,020,08-0,05

A alta de 11,64% do grupo Alimentação e bebidas foi puxada pela alimentação no domicílio (13,23%). Os destaques foram a cebola (130,14%), que teve a maior alta entre os 377 subitens que compõem o IPCA, e o leite longa vida (26,18%), que contribuiu com o maior impacto (0,17 p.p.) entre os alimentos para consumo no domicílio. Os preços do leite subiram de forma mais intensa entre março e julho de 2022, quando a alta acumulada no ano chegou a 77,84%.

A partir de agosto, com a proximidade do fim do período de entressafra, os preços iniciaram uma sequência de quedas até o final do ano, sendo a mais expressiva delas em setembro (-13,71%). No caso da cebola, a alta está relacionada à redução da área plantada, ao aumento do custo de produção e a questões climáticas. Outros destaques foram a batata-inglesa (51,92%), as frutas (24,00%) e o pão francês (18,03%).

alimentação fora do domicílio, por sua vez, subiu 7,47%. Enquanto a refeição teve aumento de 5,86%, a alta do lanche foi de 10,67%.

Em Saúde e cuidados pessoais (11,43%), a maior contribuição (0,61 p.p.) veio dos itens de higiene pessoal (16,69%), em especial os perfumes (22,61%) e os produtos para cabelo (14,97%). Outro destaque foi o plano de saúde, com alta de 6,90% e impacto de 0,25 p.p. no IPCA acumulado do ano. No final de maio, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) fixou o teto para reajuste dos planos individuais novos (posteriores à lei nº 9.656/98) em 15,50% para o período de maio de 2022 a abril de 2023.

A partir de outubro, passaram a ser incorporadas as frações referentes aos planos antigos, com vigência retroativa a partir de julho. Destaca-se, ainda, a alta de 13,52% dos produtos farmacêuticos. Em 1º de abril de 2022, passou a valer o reajuste de até 10,89% nos preços dos remédios definido pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED), a depender da classe terapêutica e do perfil de concorrência das substâncias.

No grupo Vestuário (18,02%), os preços das roupas femininas (21,35%) e das roupas masculinas (20,77%) acumularam altas acima de 20% no ano. As variações das roupas infantis e dos calçados e acessórios ficaram em 14,41% e 16,83%, respectivamente, enquanto as joias e bijuterias (3,67%) tiveram a menor variação. Houve alta acentuada no preço do algodão, uma das principais matérias-primas do setor, entre abril de 2020 e maio de 2022. Outros custos de produção também subiram e houve uma retomada da demanda, após a flexibilização do isolamento social decorrente da pandemia de Covid-19.

Em Habitação (0,07%), as principais contribuições positivas vieram do aluguel residencial (8,67%), da taxa de água e esgoto (9,22%) e do condomínio (6,80%). Juntos, os três subitens contribuíram com cerca de 0,62 p.p. no IPCA acumulado de 2022. Vale mencionar ainda as altas de quase 20% dos artigos de limpeza (19,49%) e de pouco mais de 6% no gás de botijão (6,27%). Por outro lado, houve queda de 19,01% na energia elétrica residencial, com impacto de -0,96 p.p. no índice acumulado do ano.

Embora a conta padrão de energia elétrica considere diversos componentes, a fixação de alíquotas máximas de ICMS a partir da Lei Complementar 194/22 foi decisiva para o recuo dos preços da energia elétrica, em conjunto com a manutenção da bandeira tarifária verde de abril a dezembro, após a adoção da bandeira de escassez hídrica nos primeiros meses do ano. As variações mensais e as bandeiras tarifárias em cada mês são mostradas na tabela a seguir:

IPCA – Energia elétrica – bandeira tarifária mês a mês
MêsVariação MensalBandeira tarifáriaCobrança adicional
Janeiro-1,07%Escassez HídricaR$ 14,20
Fevereiro0,15%Escassez HídricaR$ 14,20
Março1,08%Escassez HídricaR$ 14,20
Abril*-6,27%Escassez HídricaR$ 14,20
Maio-7,95%Verde
Junho-1,07%Verde
Julho-5,78%Verde
Agosto-1,27%Verde
Setembro0,78%Verde
Outubro0,30%Verde
Novembro0,56%Verde
Dezembro0,20%Verde
*Bandeira verde a partir de 16/04  

Nos Transportes, o maior impacto positivo (0,49 p.p.) veio do subitem emplacamento e licença (22,59%). A alta do IPVA em 2022 deve-se sobretudo ao aumento no preço dos automóveis em 2021, já que a cobrança é baseada no valor venal dos veículos no final do ano anterior. Os preços dos automóveis novos (8,19%) e usados (2,30%) continuaram subindo em 2022, embora em ritmo menor que o de 2021 (16,16% e 15,05%, respectivamente).

Outra alta importante foi das passagens aéreas, que subiram 23,53% e contribuíram com 0,14 p.p. no acumulado do ano. No lado das quedas, destaca-se a gasolina (-25,78%), responsável pelo impacto negativo mais intenso (-1,70 p.p.) entre os 377 subitens que compõem o IPCA. Os preços da gasolina caíram de forma mais expressiva entre julho e setembro, em decorrência de uma série de reduções no preço do combustível nas refinarias e da aplicação da Lei Complementar 194, que limitou a cobrança de ICMS sobre os combustíveis pelos estados.

A região metropolitana do Rio de Janeiro (6,65%) teve a maior variação em 2022, influenciada pelas altas do seguro voluntário de veículo (45,36%), de emplacamento e licença (29,22%) e dos produtos farmacêuticos (16,98%). O menor resultado, por sua vez, ocorreu na região metropolitana de Porto Alegre (3,61%), puxado para baixo pelas quedas de 30,90% nos preços da gasolina e de 33,18% na energia elétrica residencial.

RegiãoPeso
Regional (%)
Variação anual (%)
20212022
Rio de Janeiro9,438,586,65
São Paulo32,289,596,61
Salvador5,9910,786,29
Brasília4,069,346,26
São Luís1,629,916,10
Aracaju1,0310,146,03
Recife3,9210,425,80
Fortaleza3,2310,635,76
Rio Branco0,5111,435,70
Belém3,948,105,56
Curitiba8,0912,735,26
Campo Grande1,5710,925,16
Vitória1,8611,505,03
Goiânia4,1710,314,77
Belo Horizonte9,699,584,64
Porto Alegre8,6110,993,61
Brasil100,0010,065,79

INPC sobe 0,69% em dezembro

Índice Nacional de Preços ao Consumidor – INPC teve alta de 0,69% em dezembro, 0,31 p.p. acima do resultado observado em novembro (0,38%). Em dezembro de 2021, a taxa foi de 0,73%.

Os produtos alimentícios passaram de 0,55% de variação em novembro para 0,74% em dezembro. A variação dos não alimentícios também foi maior: 0,67% em dezembro frente à alta de 0,32% no mês anterior.

Quanto aos índices regionais, todas as áreas tiveram alta em dezembro. A maior ocorreu no município de Rio Branco (1,40%), puxada pela alta da energia elétrica (8,76%). Já o menor resultado foi registrado na região metropolitana do Rio de Janeiro (0,21%), influenciada pela queda de 3,59% na conta de energia elétrica.

RegiãoPeso
Regional (%)
Variação (%)Variação Acumulada (%)
NovembroDezembroAno
Rio Branco0,720,121,405,22
São Luís3,470,291,046,72
Belém6,950,150,955,54
Recife5,600,310,916,41
Belo Horizonte10,350,630,844,73
Curitiba7,370,210,764,50
Goiânia4,430,950,755,61
Fortaleza5,160,290,736,05
São Paulo24,600,370,697,22
Aracaju1,29-0,040,676,53
Vitória1,910,100,654,47
Porto Alegre7,150,480,593,05
Salvador7,920,210,587,02
Brasília1,971,200,575,67
Campo Grande1,730,230,305,13
Rio de Janeiro9,380,340,216,45
Brasil100,000,380,695,93

Para o cálculo do índice do mês, foram comparados os preços coletados no período de 30 de novembro a 27 de dezembro de 2022 (referência) com os preços vigentes no período de 28 de outubro a 29 de novembro de 2022 (base).

INPC fecha o ano com alta de 5,93%

A alta acumulada do INPC em 2022 foi de 5,93%, abaixo dos 10,16% registrados em 2021. Os alimentícios tiveram alta de 11,91%, enquanto os não alimentícios variaram 4,08%. Em 2021, o grupo Alimentação e bebidas havia apresentado variação de 7,71% e, os não alimentícios, de 10,93%. Na tabela a seguir, os resultados por grupo de produtos e serviços.

GrupoVariação (%)Impacto (p.p.)
2021202220212022
Índice Geral10,165,9310,165,93
Alimentação e bebidas7,7111,911,862,81
Habitação13,850,452,430,08
Artigos de residência12,748,080,580,38
Vestuário9,9418,290,500,93
Transportes19,29-2,153,70-0,45
Saúde e cuidados pessoais3,9012,990,441,39
Despesas pessoais5,507,850,430,59
Educação3,297,570,140,31
Comunicação1,29-2,040,08-0,11

Quanto aos índices regionais, a maior taxa ficou com a região metropolitana de São Paulo (7,22%), especialmente por conta das altas do emplacamento e licença (23,66%) e do aluguel residencial (10,48%). A menor variação ocorreu na região metropolitana de Porto Alegre (3,05%), cujo resultado foi influenciado pelo recuo nos preços da gasolina (-30,90%) e da energia elétrica residencial (-32,79%).

RegiãoPeso Regional (%)Variação anual (%)
20212022
São Paulo24,6010,197,22
Salvador7,9211,097,02
São Luís3,479,386,72
Aracaju1,299,696,53
Rio de Janeiro9,388,786,45
Recife5,6010,186,41
Fortaleza5,1610,806,05
Brasília1,979,835,67
Goiânia4,439,485,61
Belém6,957,755,54
Rio Branco0,7211,065,22
Campo Grande1,7310,855,13
Belo Horizonte10,359,554,73
Curitiba7,3712,844,50
Vitória1,9111,444,47
Porto Alegre7,1511,383,05
Brasil100,0010,165,93

Fonte: IBGE