Os Analistas

Foto: arquivo/EBC

Geral

Economia: IPCA fecha o ano em 5,79%; alimentos são o principal vilão

Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – IPCA de dezembro foi de 0,62%, 0,21 ponto percentual (p.p.) acima da taxa de novembro (0,41%). Em dezembro de 2021, a variação havia sido de 0,73%. Com isso, o IPCA acumulado em 2022 foi de 5,79%, abaixo dos 10,06% acumulados em 2021.

Período Taxa
Dezembro 2022 0,62%
Novembro 2022 0,41%
Dezembro 2021 0,73%
Acumulado no ano / 12 meses 5,79%

Todos os grupos de produtos e serviços pesquisados tiveram alta em dezembro. A maior variação (1,60%) e o maior impacto (0,21 p.p.) vieram de Saúde e cuidados pessoais, que acelerou em relação ao resultado de novembro (0,02%). A segunda maior contribuição, 0,14 p.p., veio de Alimentação e bebidas, que ficou com alta de 0,66%. Juntos, os dois grupos representaram cerca de 56% do impacto total do IPCA de dezembro.

Grupo Variação (%) Impacto (p.p.)
Novembro Dezembro Novembro Dezembro
Índice Geral 0,41 0,62 0,41 0,62
Alimentação e bebidas 0,53 0,66 0,12 0,14
Habitação 0,51 0,20 0,08 0,03
Artigos de residência -0,68 0,64 -0,03 0,03
Vestuário 1,10 1,52 0,05 0,07
Transportes 0,83 0,21 0,17 0,04
Saúde e cuidados pessoais 0,02 1,60 0,01 0,21
Despesas pessoais 0,21 0,62 0,02 0,06
Educação 0,02 0,19 0,00 0,01
Comunicação -0,14 0,50 -0,01 0,03

A segunda maior variação, por sua vez, veio de Vestuário (1,52%), cujo resultado ficou acima de 1% pelo quinto mês consecutivo. Transportes (0,21%) e Habitação (0,20%) desaceleraram ante o mês anterior, quando registraram 0,83% e 0,51%, respectivamente. Os demais grupos ficaram entre 0,19% de Educação e 0,64% de Artigos de residência.

A alta de Saúde e cuidados pessoais (1,60%) está relacionada ao aumento nos preços dos itens de higiene pessoal (3,65%), em particular os perfumes (9,02%). Em novembro, os preços dos perfumes caíram 4,87%; com a alta de dezembro, o subitem contribuiu com o maior impacto individual no índice do mês, 0,09 p.p. Além disso, também houve alta nos preços dos artigos de maquiagem (5,42%) e dos produtos para pele (3,85%). Os planos de saúde (1,20%) seguiram com a mesma variação do mês anterior, refletindo a incorporação da fração mensal dos reajustes dos planos novos e antigos para o ciclo de 2022 a 2023.

O resultado do grupo Alimentação e bebidas (0,66%) foi puxado pela alimentação no domicílio (0,71%). Destacam-se as altas do tomate (14,17%), do feijão-carioca (7,37%), da cebola (4,56%) e do arroz (3,77%). No lado das quedas, os preços do leite longa vida (-3,83%) caíram pelo quinto mês seguido, contribuindo com -0,03 p.p. no IPCA de dezembro.

Na alimentação fora do domicílio (0,51%), o lanche (1,10%) acelerou frente a novembro (0,42%), enquanto o resultado da refeição (0,19%) ficou abaixo do mês anterior (0,36%).

No grupo Vestuário (1,52%), as roupas femininas tiveram a maior variação (2,10%) e o maior impacto (0,03 p.p.) entre os itens pesquisados. Além disso, os preços das roupas masculinas (1,55%), das roupas infantis (1,46%) e dos calçados e acessórios (1,09%) também subiram mais de 1% em dezembro.

O grupo Transportes (0,21%) teve variação menor que a do mês anterior (0,83%), influenciado pela queda nos preços da gasolina (-1,04%). Também houve recuo nos preços do óleo diesel (-2,07%) e do gás veicular (-0,45%). O etanol (0,48%) foi o único combustível com alta em dezembro. Outro componente do grupo a apresentar alta foram as passagens aéreas (0,89%), cujos preços haviam recuado 9,80% em novembro. Cabe ressaltar ainda a alta do subitem pedágio (3,00%), consequência dos reajustes entre 10,20% e 12,00% em diversas praças de pedágio em São Paulo (3,95%), a partir de 16 de dezembro.

A desaceleração do grupo Habitação (de 0,51% em novembro para 0,20% em dezembro) decorre de altas menos intensas do aluguel residencial (0,40%) e da energia elétrica residencial (0,20%). As variações da energia elétrica nas regiões foram desde -3,54% no Rio de Janeiro, onde houve redução de 5,99% nas tarifas de uma das concessionárias pesquisadas, válida desde 15 de dezembro, até 8,77% em Rio Branco, por conta do reajuste de 14,48% nas tarifas residenciais, a partir de 13 de dezembro. Também foram registrados reajustes de 21,54% em Brasília (6,66%), vigente desde 3 de novembro, e de 3,62% em uma das concessionárias de Porto Alegre (2,30%), aplicado desde 22 de novembro.

Ainda em Habitação, a variação positiva da taxa de água e esgoto (0,50%) é consequência dos reajustes de 10,15% em Belém (9,51%), válido desde 28 de novembro, e de 11,82% no Rio de Janeiro (3,65%), em vigor desde 8 de novembro. Já o aumento do gás encanado (3,67%) reflete o reajuste de 10,89% nas tarifas residenciais em São Paulo (7,01%), a partir de 10 de dezembro. No Rio de Janeiro (-0,31%), a queda no gás encanado é consequência da redução de 2,47% nas tarifas, aplicada desde 1º de novembro.

Todas as áreas tiveram variações positivas em dezembro, sendo a maior em Rio Branco (AC) (1,32%), por conta da alta da energia elétrica (8,77%). Já o menor resultado ocorreu no Rio de Janeiro (0,33%), onde, além da queda na energia elétrica (-3,54%), houve recuo nos preços de produtos alimentícios como o leite longa vida (-4,70%) e as frutas (-3,49%).

Região Peso
Regional (%)
Variação (%) Variação Acumulada (%)
Novembro Dezembro Ano
Rio Branco 0,51 0,12 1,32 5,70
Belém 3,94 0,10 1,05 5,56
São Luís 1,62 0,36 1,00 6,10
Recife 3,92 0,39 0,88 5,80
Curitiba 8,09 0,23 0,75 5,26
Belo Horizonte 9,69 0,54 0,71 4,64
Aracaju 1,03 0,12 0,66 6,03
Vitória 1,86 0,09 0,65 5,03
São Paulo 32,28 0,40 0,62 6,61
Fortaleza 3,23 0,28 0,61 5,76
Porto Alegre 8,61 0,42 0,56 3,61
Goiânia 4,17 0,95 0,55 4,77
Brasília 4,06 1,03 0,50 6,26
Salvador 5,99 0,26 0,39 6,29
Campo Grande 1,57 0,27 0,38 5,16
Rio de Janeiro 9,43 0,34 0,33 6,65
Brasil 100,00 0,41 0,62 5,79

Para o cálculo do índice do mês, foram comparados os preços coletados entre 30 de novembro e 27 de dezembro de 2022 (referência) com os preços vigentes de 28 de outubro a 29 de novembro de 2022 (base).

IPCA fecha 2022 com alta de 5,79%

IPCA encerrou o ano com variação de 5,79%, abaixo dos 10,06% registrados em 2021. Na tabela abaixo, pode-se observar as variações mensais do índice em 2022.

Mês Variação (%)
Mês Trimestre Ano
Janeiro 0,54 0,54
Fevereiro 1,01 1,56
Março 1,62 3,20 3,20
Abril 1,06 4,29
Maio 0,47 4,78
Junho 0,67 2,22 5,49
Julho -0,68 4,77
Agosto -0,36 4,39
Setembro -0,29 -1,32 4,09
Outubro 0,59 4,70
Novembro 0,41 5,13
Dezembro 0,62 1,63 5,79

O resultado de 2022 foi influenciado principalmente pelo grupo Alimentação e bebidas (11,64%), que teve o maior impacto (2,41 p.p.) no acumulado do ano. Na sequência, veio Saúde e cuidados pessoais, com 11,43% de variação e 1,42 p.p. de impacto. Já a maior variação veio do grupo Vestuário (18,02%), que teve altas acima de 1% em 10 dos 12 meses do ano. O grupo Habitação (0,07%) ficou próximo da estabilidade e os Transportes (-1,29%) tiveram a maior queda e o impacto negativo mais intenso (-0,28 p.p.) entre os nove grupos pesquisados. Na tabela a seguir, o resultado de todos os grupos de produtos e serviços.

Grupo Variação (%) Impacto (p.p.)
2021 2022 2021 2022
Índice Geral 10,06 5,79 10,06 5,79
Alimentação e bebidas 7,94 11,64 1,68 2,41
Habitação 13,05 0,07 2,05 0,01
Artigos de residência 12,07 7,89 0,46 0,31
Vestuário 10,31 18,02 0,45 0,78
Transportes 21,03 -1,29 4,19 -0,28
Saúde e cuidados pessoais 3,70 11,43 0,49 1,42
Despesas pessoais 4,73 7,77 0,49 0,77
Educação 2,81 7,48 0,17 0,42
Comunicação 1,38 -1,02 0,08 -0,05

A alta de 11,64% do grupo Alimentação e bebidas foi puxada pela alimentação no domicílio (13,23%). Os destaques foram a cebola (130,14%), que teve a maior alta entre os 377 subitens que compõem o IPCA, e o leite longa vida (26,18%), que contribuiu com o maior impacto (0,17 p.p.) entre os alimentos para consumo no domicílio. Os preços do leite subiram de forma mais intensa entre março e julho de 2022, quando a alta acumulada no ano chegou a 77,84%.

A partir de agosto, com a proximidade do fim do período de entressafra, os preços iniciaram uma sequência de quedas até o final do ano, sendo a mais expressiva delas em setembro (-13,71%). No caso da cebola, a alta está relacionada à redução da área plantada, ao aumento do custo de produção e a questões climáticas. Outros destaques foram a batata-inglesa (51,92%), as frutas (24,00%) e o pão francês (18,03%).

alimentação fora do domicílio, por sua vez, subiu 7,47%. Enquanto a refeição teve aumento de 5,86%, a alta do lanche foi de 10,67%.

Em Saúde e cuidados pessoais (11,43%), a maior contribuição (0,61 p.p.) veio dos itens de higiene pessoal (16,69%), em especial os perfumes (22,61%) e os produtos para cabelo (14,97%). Outro destaque foi o plano de saúde, com alta de 6,90% e impacto de 0,25 p.p. no IPCA acumulado do ano. No final de maio, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) fixou o teto para reajuste dos planos individuais novos (posteriores à lei nº 9.656/98) em 15,50% para o período de maio de 2022 a abril de 2023.

A partir de outubro, passaram a ser incorporadas as frações referentes aos planos antigos, com vigência retroativa a partir de julho. Destaca-se, ainda, a alta de 13,52% dos produtos farmacêuticos. Em 1º de abril de 2022, passou a valer o reajuste de até 10,89% nos preços dos remédios definido pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED), a depender da classe terapêutica e do perfil de concorrência das substâncias.

No grupo Vestuário (18,02%), os preços das roupas femininas (21,35%) e das roupas masculinas (20,77%) acumularam altas acima de 20% no ano. As variações das roupas infantis e dos calçados e acessórios ficaram em 14,41% e 16,83%, respectivamente, enquanto as joias e bijuterias (3,67%) tiveram a menor variação. Houve alta acentuada no preço do algodão, uma das principais matérias-primas do setor, entre abril de 2020 e maio de 2022. Outros custos de produção também subiram e houve uma retomada da demanda, após a flexibilização do isolamento social decorrente da pandemia de Covid-19.

Em Habitação (0,07%), as principais contribuições positivas vieram do aluguel residencial (8,67%), da taxa de água e esgoto (9,22%) e do condomínio (6,80%). Juntos, os três subitens contribuíram com cerca de 0,62 p.p. no IPCA acumulado de 2022. Vale mencionar ainda as altas de quase 20% dos artigos de limpeza (19,49%) e de pouco mais de 6% no gás de botijão (6,27%). Por outro lado, houve queda de 19,01% na energia elétrica residencial, com impacto de -0,96 p.p. no índice acumulado do ano.

Embora a conta padrão de energia elétrica considere diversos componentes, a fixação de alíquotas máximas de ICMS a partir da Lei Complementar 194/22 foi decisiva para o recuo dos preços da energia elétrica, em conjunto com a manutenção da bandeira tarifária verde de abril a dezembro, após a adoção da bandeira de escassez hídrica nos primeiros meses do ano. As variações mensais e as bandeiras tarifárias em cada mês são mostradas na tabela a seguir:

IPCA – Energia elétrica – bandeira tarifária mês a mês
Mês Variação Mensal Bandeira tarifária Cobrança adicional
Janeiro -1,07% Escassez Hídrica R$ 14,20
Fevereiro 0,15% Escassez Hídrica R$ 14,20
Março 1,08% Escassez Hídrica R$ 14,20
Abril* -6,27% Escassez Hídrica R$ 14,20
Maio -7,95% Verde
Junho -1,07% Verde
Julho -5,78% Verde
Agosto -1,27% Verde
Setembro 0,78% Verde
Outubro 0,30% Verde
Novembro 0,56% Verde
Dezembro 0,20% Verde
*Bandeira verde a partir de 16/04  

Nos Transportes, o maior impacto positivo (0,49 p.p.) veio do subitem emplacamento e licença (22,59%). A alta do IPVA em 2022 deve-se sobretudo ao aumento no preço dos automóveis em 2021, já que a cobrança é baseada no valor venal dos veículos no final do ano anterior. Os preços dos automóveis novos (8,19%) e usados (2,30%) continuaram subindo em 2022, embora em ritmo menor que o de 2021 (16,16% e 15,05%, respectivamente).

Outra alta importante foi das passagens aéreas, que subiram 23,53% e contribuíram com 0,14 p.p. no acumulado do ano. No lado das quedas, destaca-se a gasolina (-25,78%), responsável pelo impacto negativo mais intenso (-1,70 p.p.) entre os 377 subitens que compõem o IPCA. Os preços da gasolina caíram de forma mais expressiva entre julho e setembro, em decorrência de uma série de reduções no preço do combustível nas refinarias e da aplicação da Lei Complementar 194, que limitou a cobrança de ICMS sobre os combustíveis pelos estados.

A região metropolitana do Rio de Janeiro (6,65%) teve a maior variação em 2022, influenciada pelas altas do seguro voluntário de veículo (45,36%), de emplacamento e licença (29,22%) e dos produtos farmacêuticos (16,98%). O menor resultado, por sua vez, ocorreu na região metropolitana de Porto Alegre (3,61%), puxado para baixo pelas quedas de 30,90% nos preços da gasolina e de 33,18% na energia elétrica residencial.

Região Peso
Regional (%)
Variação anual (%)
2021 2022
Rio de Janeiro 9,43 8,58 6,65
São Paulo 32,28 9,59 6,61
Salvador 5,99 10,78 6,29
Brasília 4,06 9,34 6,26
São Luís 1,62 9,91 6,10
Aracaju 1,03 10,14 6,03
Recife 3,92 10,42 5,80
Fortaleza 3,23 10,63 5,76
Rio Branco 0,51 11,43 5,70
Belém 3,94 8,10 5,56
Curitiba 8,09 12,73 5,26
Campo Grande 1,57 10,92 5,16
Vitória 1,86 11,50 5,03
Goiânia 4,17 10,31 4,77
Belo Horizonte 9,69 9,58 4,64
Porto Alegre 8,61 10,99 3,61
Brasil 100,00 10,06 5,79

INPC sobe 0,69% em dezembro

Índice Nacional de Preços ao Consumidor – INPC teve alta de 0,69% em dezembro, 0,31 p.p. acima do resultado observado em novembro (0,38%). Em dezembro de 2021, a taxa foi de 0,73%.

Os produtos alimentícios passaram de 0,55% de variação em novembro para 0,74% em dezembro. A variação dos não alimentícios também foi maior: 0,67% em dezembro frente à alta de 0,32% no mês anterior.

Quanto aos índices regionais, todas as áreas tiveram alta em dezembro. A maior ocorreu no município de Rio Branco (1,40%), puxada pela alta da energia elétrica (8,76%). Já o menor resultado foi registrado na região metropolitana do Rio de Janeiro (0,21%), influenciada pela queda de 3,59% na conta de energia elétrica.

Região Peso
Regional (%)
Variação (%) Variação Acumulada (%)
Novembro Dezembro Ano
Rio Branco 0,72 0,12 1,40 5,22
São Luís 3,47 0,29 1,04 6,72
Belém 6,95 0,15 0,95 5,54
Recife 5,60 0,31 0,91 6,41
Belo Horizonte 10,35 0,63 0,84 4,73
Curitiba 7,37 0,21 0,76 4,50
Goiânia 4,43 0,95 0,75 5,61
Fortaleza 5,16 0,29 0,73 6,05
São Paulo 24,60 0,37 0,69 7,22
Aracaju 1,29 -0,04 0,67 6,53
Vitória 1,91 0,10 0,65 4,47
Porto Alegre 7,15 0,48 0,59 3,05
Salvador 7,92 0,21 0,58 7,02
Brasília 1,97 1,20 0,57 5,67
Campo Grande 1,73 0,23 0,30 5,13
Rio de Janeiro 9,38 0,34 0,21 6,45
Brasil 100,00 0,38 0,69 5,93

Para o cálculo do índice do mês, foram comparados os preços coletados no período de 30 de novembro a 27 de dezembro de 2022 (referência) com os preços vigentes no período de 28 de outubro a 29 de novembro de 2022 (base).

INPC fecha o ano com alta de 5,93%

A alta acumulada do INPC em 2022 foi de 5,93%, abaixo dos 10,16% registrados em 2021. Os alimentícios tiveram alta de 11,91%, enquanto os não alimentícios variaram 4,08%. Em 2021, o grupo Alimentação e bebidas havia apresentado variação de 7,71% e, os não alimentícios, de 10,93%. Na tabela a seguir, os resultados por grupo de produtos e serviços.

Grupo Variação (%) Impacto (p.p.)
2021 2022 2021 2022
Índice Geral 10,16 5,93 10,16 5,93
Alimentação e bebidas 7,71 11,91 1,86 2,81
Habitação 13,85 0,45 2,43 0,08
Artigos de residência 12,74 8,08 0,58 0,38
Vestuário 9,94 18,29 0,50 0,93
Transportes 19,29 -2,15 3,70 -0,45
Saúde e cuidados pessoais 3,90 12,99 0,44 1,39
Despesas pessoais 5,50 7,85 0,43 0,59
Educação 3,29 7,57 0,14 0,31
Comunicação 1,29 -2,04 0,08 -0,11

Quanto aos índices regionais, a maior taxa ficou com a região metropolitana de São Paulo (7,22%), especialmente por conta das altas do emplacamento e licença (23,66%) e do aluguel residencial (10,48%). A menor variação ocorreu na região metropolitana de Porto Alegre (3,05%), cujo resultado foi influenciado pelo recuo nos preços da gasolina (-30,90%) e da energia elétrica residencial (-32,79%).

Região Peso Regional (%) Variação anual (%)
2021 2022
São Paulo 24,60 10,19 7,22
Salvador 7,92 11,09 7,02
São Luís 3,47 9,38 6,72
Aracaju 1,29 9,69 6,53
Rio de Janeiro 9,38 8,78 6,45
Recife 5,60 10,18 6,41
Fortaleza 5,16 10,80 6,05
Brasília 1,97 9,83 5,67
Goiânia 4,43 9,48 5,61
Belém 6,95 7,75 5,54
Rio Branco 0,72 11,06 5,22
Campo Grande 1,73 10,85 5,13
Belo Horizonte 10,35 9,55 4,73
Curitiba 7,37 12,84 4,50
Vitória 1,91 11,44 4,47
Porto Alegre 7,15 11,38 3,05
Brasil 100,00 10,16 5,93

Fonte: IBGE

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Os Analistas no Twitter

Você pode gostar

Destaque

O Sindicato dos Bancários realizou nesta quinta-feira (11) um ato público para denunciar o fechamento da agência do Banco Santander, da Praça João Lisboa,...

Destaque

Não causam mais nenhuma estranheza as posições assumidas pelos parlamentares da dita direita maranhense, sejam eles estaduais ou federais. O último capítulo da insensatez...

Geral

Na passagem de janeiro para fevereiro, as vendas no comércio varejista no país aumentaram 1,0% e atingiram o maior patamar da série histórica iniciada...

Geral

O volume de serviços prestados no país recuou 0,9% na passagem de janeiro para fevereiro de 2024. O resultado chega após três meses de...