Tag: prefeitura de São Luís

Braide manda mais um para a “Fogueira das Vaidades”

Um olhar sobre a notícia

Para analisar com mais profundidade essa crise na Secult é preciso relembrar a demissão na Semcas, onde 90 servidores foram demitidos por suspeitas de favorecimento em contratos no valor de R$ 1.7 milhão com a empresa AD Infinitum, que ganhou quatro pregões para fornecer fraldas descartáveis, alimentos perecíveis e não perecíveis.

A crise recente na Secult traz uma comparação no mínimo curiosa e inversamente proporcional à força aplicada na Semcas. O Prefeito Eduardo Salim Braide deixa claro que não tem pudor ao se colocar de fora de um problema que era de seu total conhecimento.

A empresa Juju e Cacaia – Tu és uma Benção foi a única interessada e, consequentemente, selecionada para um chamamento público para realizar o carnaval em São Luís, pelo valor de R$6.9 milhões. A tramitação foi muito rápida, sem prazos e burocracia, quase na instantaneidade de um milagre ou um chamamento divino, uma verdadeira benção.

O instituto, que é uma benção, alega estar tudo dentro da normalidade e acredito que deva estar mesmo, afinal Juju e Cacaia já vem trabalhando normalmente com a prefeitura, como no contrato firmado com a Fundação do Patrimônio Histórico no valor de R$798.000,00. O instituto comandando por Katia Bógea pretende erguer um monumento em homenagem ao Complexo Cultural do Bumba-Meu-Boi do Maranhão. Dessa forma, presume-se que teremos um boi de 800 mil reais na avenida Vitorino Freire e qualquer semelhança com o Touro de Ouro do Centro Histórico de São Paulo, será mera coincidência.

Outro dois contratos da empresa Juju é uma benção chamam atenção. Em junho de 2023 a Secult pagou o valor de R$ 370 mil Reais, através de uma emenda da vereadora Concita Pinto para a realização do projeto Noites de São João, porém nas redes sociais do instituto, nesse período só aconteceu o pequeno evento denominado “Arraiá da Juju”.

Em outro pagamento, dessa vez feito pela SECMA, no valor de R$300.000,00, para realização do São Luís Gospel, com indicação de emenda do deputado Fernando Braide, que é irmão do Prefeito, muita coincidência não é verdade?

Agora o que chama mais atenção é o julgamento do Prefeito nos dois casos. Na Semcas, ele fez o raspa demitindo noventa servidores por suspeitas em contratos de R$1.7 milhões, contratos com licitação, inclusive. Já no recente escândalo da Secult, onde os valores são quatro vezes maiores e passam de R$ 8 milhões, ele só demitiu apenas três pessoas, o secretário, a chefe de gabinete e o analista jurídico. A chefe de Gabinete já disse em entrevista que o prefeito sabia de tudo e a julgar pelos pagamentos anteriores sabia mesmo.

Porém, essas demissões não explicam os motivos dos superfaturamentos dos cachês e também não explica como foi feito o pagamento de artistas nacionais que só se apresentam se receberem antecipado. Será que Joelma tocou sem receber a benção de Juju e Cacaia?

Visivelmente constrangido, o Prefeito tenta desviar o foco jogando na fogueira apenas quem já considerava um empecilho para o modelo que já vinha sendo aplicado na Secult, desde o ano de 2022 , onde deu poder a pessoas que não conhecem nada da nossa cultura, tendo como experiência apenas produzir grandes eventos de forró, axé e similares. Mas com o mercado privado em baixa, a “solução” foi se agarrar no poder público vendendo a ilusão de que o prefeito deve ser um mega produtor  cultural subindo ao palco como se fosse um pop star, para isso é claro, é preciso pagar caro, o que demonstra ser apenas um detalhe quando a origem é de verba pública. Enquanto isso a classe artística que até hoje espera a volta do Circo da Cidade e do pagamento da lei Paulo Gustavo segue sendo ignorada pelo prefeito que prometeu em campanha agir diferente.

Para Marcos Duailibe deve ficar a lição de que o sonho de ser protagonista na área que sempre atuou se transformou em queimação e a vaidade que ronda quem está no topo traz consigo o que há de pior nas relações pessoais, a traição.

 

Deputado estadual Carlos Lula encerra semestre se afirmando como pré-candidato a prefeito de São Luís

Na noite desta terça-feira (12), o deputado estadual Carlos Lula (PSB) encerrou o primeiro semestre de seu mandato fazendo uma “prestação de contas” junto a imprensa e políticos aliados. Num clima de bate-papo, o ex-secretário de Saúde do Estado, falou da atuação na Assembleia Legislativa e das ações paralelas que compõem o mandato de deputado.

Na explanação inicial, o deputado lembrou os “três eixos prioritários de campanha, envolvendo Saúde, Educação e Primeira Infância”; e, de fato, as mais de 70 proposições, os 7 projetos aprovados, e o volume de ação geral estavam sempre ligados às proposições de campanha.

Mas estamos em julho, um ano antes das convenções partidárias para escolha dos candidatos a prefeito dos mais de 5,5 mil municípios brasileiros. Pré-candidato assumido, o deputado socialista encarou a questão e reafirmou a vontade de concorrer à prefeitura da capital maranhense.

Presente no evento, a prefeita de paço do Lumiar, Paula Azevedo (PC do B) ouviu de Lula que “em a possibilidade de mudar de domicílio eleitoral e disputar a prefeitura de Paço, ele descarta. Mas a afirmação está dentro do pacote de permissividades que o momento permite; momento este de início de conversas sobre sucessão, como lembrou o próprio deputado; quando tudo pode ser…

Mas o fato é que o nome de Carlos Lula está posto na fila da sucessão da capital, não só pelo seu mandato de deputado, pelo seu preparo político, relações de grupo, mas, e talvez, principalmente, pela sua atuação e poder executivos frente a Secretaria de Saúde do Estado, no período crítico da Pandemia do Covid-19, onde e quando teve destaque e reconhecimento nacional pelas ações e atitudes que tomou.

Questões partidárias e de grupo

Quase uma releitura da pré-campanha de 2020, quando Eduardo Braide, a despeito do número de concorrentes levou a eleição majoritária, agora um cenário parecido se configura. Muitos de sentem preparados, merecedores, e certos como candidatos á prefeitura de São Luís.

Uns sequer partido pra isso têm, como é o caso do deputado Dr Yglésio (às turras com o PSB), onde outros dois dividem o mesmo desejo de candidatura, como é o caso do próprio Lula, e do deputado federal Duarte Jr, ambos pré-candidatos incontestes do partido.  Vejam bem: pré-candidatos. Segundo informações de Carlos Lula, o presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, afirmou que quem vai decidir quem é quem nos municípios serão os diretórios municipais.

Mas a essa questão, Lula responde com um sorriso tranquilo, de quem tem mais de uma, talvez três oportunidades de escolha partidária. E há, senão uma onda, um maremoto de “coisas partidárias” acontecendo: partidos sendo fundidos, federações em construção e seduções de todos os tipos em busca de nomes que agreguem valor às siglas;

As questões de grupos aventadas por tantos analistas é um horizonte turvo na realidade, compostas de verdades, meias-verdades, engodos e mentiras, onde apenas por um soldo ou cachê, alguém topa tomar partido.

Braide não tem grupo (e ganhou a eleição num ajunte de última hora); a oposição é indefinida; aquele grupo enorme criado por Flávio Dino (e diluído na última eleição municipal) ainda existe? Ou já são dois grupos? O de Dino e o de Brandão? Teremos um novo “consórcio” (quiçá uma cooperativa)?

Ou teremos amadurecimento político, social, federativo onde haverá investimento de tempo, dinheiro e preparação sobre aqueles candidatos que de fato tem competitividade, talento, competência e apoio real para resolver os problemas seculares de nossa capital?